Vários tipos de racismo – uma vergonha para todos nós

0
447
views

Infelizmente o racismo cultural é uma realidade. Mas sabia que existe vários tipos de racismo? Seja ela no Brasil ou no mundo, várias sociedades sustentam a premissa de que “a minha raça é melhor que a sua”.

Se por um lado o racismo cultural não é um privilégio dos brasileiros, por outro é um desafio para o mundo todo romper com o paradigma de raça superior.

Como a maior potência econômica do mundo, os EUA são o centro do mundo. Viver o sonho americano não é um privilégio de quem nasceu por lá. E a disputa de um lugar ao sol gerou conflitos históricos no país, desde a Guerra de Secessão.

Racismo nos anos 70

Eventos nos anos 70 também marcaram a disputa de raças nos EUA. Brancos e negros viviam o chamado apartheid americano. Foi durante esse momento que surgiu o Movimento dos Panteras Negras.

Segundo o professor Antônio Gasparetto Junior “O partido tinha como objetivo patrulhar os guetos negros para proteger os residentes contra a violência da polícia. O grupo assumiu uma filiação ideológica com o marxismo e propunha também que todos os negros deveriam possuir armas…”

Estados Unidos: e os tipos de racismo

 Vários tipos de racismo - uma vergonha para todos nós Curiosidades
Martin Luther King

Desde as lutas pelos direitos dos negros em meados de 45, até a sua participação em órgãos políticos em 70 ou o momento de estagnação para o movimento em 68 por conta da morte de seu líder, Martin Luther King, os negros afro-americanos sempre estavam em busca de mais representatividade.

 Vários tipos de racismo - uma vergonha para todos nós Curiosidades

Todo o movimento foi ganhando cada vez mais força. Claro que o racismo cultural, sustentado por anos não seria destruído da noite para o dia.

Inclusive muitos brancos criavam conflitos por conta de um certo favoritismo, em algumas estâncias e programas do governo, quando o assunto eram os negros.

Mas a situação se agravou quando o presidente Lyndon B. Johnson chegou ao poder em 63.

O movimento foi renovado com a entrada de Jesse Jackson, ex membro do movimento de King. Em 84 ele mostrou com a sua candidatura que possuía força política, já que ganhou em diversos estados americanos, ou seja, os negros nos anos 80 estavam com o sentimento do movimento renovado.

Com a maior participação do negro, inclusive na política, muitos acabaram abraçando a causa e percebendo que existe espaço para todos. Mesmo não ganhando a eleição, Jackson mostrou a força que o seu carisma proporcionou, afinal venceu em cidades grandes como New York ou Illinois.

Mas o que Jackson realmente queria ao ganhar as eleições era forçar aos democratas a manter uma aliança ainda mais forte com os negros que ignoraram nos anos 60. Afinal estes eram as vozes atuais e ir contra um movimento tão forte não era uma boa estratégia.

Os vários tipos de racismo no mundo

Para entendermos melhor o assunto encontrei algumas descrições dos vários tipos de racismo que exitem e ainda são muito praticadas, não só nos EUA mas também no Brasil e pelo mundo a fora.

Segundo sites especializados no assunto são estes os principais tipos de racismos no mundo:

Racismo individual – Tem mais ligação a crenças e convicções pessoais. Destaca-se por atitudes, comportamentos e  interesses pessoais que são característicos de várias raças. Que levam a restrições ou discriminação ao indivíduo.

Racismo institucional –  por exemplo aqueles que, por sua cor, raça ou religião, são discriminados no nosso sistema de trabalho, na Justiça, na Economia, na Política e nas instituições.

Racismo cultural – Manifesta-se nos valores, nas crenças, na religião, na língua, na música, na filosofia, na estética, entre outros.

Racismo primário – É um fenômeno emocional ou passional, sem qualquer elaboração ou justificações.

Racismo comunitarista ou diferencialista – É um racismo contemporâneo que se apropriou dos pontos centrais do anti-racismo, ou seja que raça não é natureza.

Racismo ecológico ou ambiental – É a forma ou subespécie mais recente de discriminação, contra a “Mãe Terra”.

Racismo no Brasil

No Brasil também não é diferente. Historicamente tivemos a escravidão tanto de índios quanto de negros. O que sem perceber deixou marcas profundas demais e que o tempo ainda não apagou.

A dor e o sofrimento de nossos antepassados ainda estão presentes hoje me dia no inconsciente coletivo. A diferenciação entre negros e brancos estão presentes em muitas situações do dia-a-dia, e que muitas vezes não nos damos conta. Numa piada, num olhar ou num comentário.

Em situações mais graves há uma diferenciação no acesso a escolas e faculdades. Dai se criam sistemas de cotas para acesso. Não sei a opnião de vocês quanto a isso. Mas há opiniões que afirmam que as cotas só agravam e distanciam as pessoas. Outras afirmam que isso é uma forma de resgate de direitos. O que pensa sobre isso?

Enfrentamos também o problema da diferença de gênero. Homens e mulheres ainda não acharam o ponto de equilíbrio para uma convivência harmoniosa. A disputa por espaço no mercado de trabalho serve bem para ilustrar o delicado problema que enfrentamos. Não evoluímos o bastante. Por isso somos irracionais quando defendemos nossos posicionamentos.

A Constituição de 1988 e o racismo

Para que não restem dúvidas, o racismo é crime! Vejamos partes da Constituição Federal de 1988 que remetem ao racismo.

A Constituição Federal de 1988, no seu art. 5° inciso XLII, determina que “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito de reclusão nos termos da lei”.
Art. 3° Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: (…).

– IV Promover o bem estar de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

Art. 5° – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, a liberdade, a igualdade, a segurança e a prosperidade…(…).

– XLI A lei punirá a qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais.

Art. 4° – A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

II – prevalência dos direitos humanos;

VIII – repudio ao terrorismo e ao racismo;

Art. 7°-

XXX – proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil;

Art. 215. § 1°- O Estado protegera as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional.

Art. 216. § 5° – Ficam tombados todos os documentos e os sítios detentores de reminiscências históricas dos antigos quilombos.

ADCT – Art. 68 – Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras e reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos.

Quanto a questão de gênero gostariam de acrescentar alguma coisa? Gostaria de ouvir.

Espero que tenham gostado da leitura. Não esqueçam de comentar ou curtir nosso Blog, ok?

Artigo anteriorPropagandas anos 80
Próximo artigoMusica Brasileira anos 70
Nascido nos anos 70 curti toda minha adolescência nos anos 80 e 90. Agora gosto de relembrar os bons momentos e fatos que marcaram época.
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here