Os anos 70 formam embalados com musicas do rei Roberto Carlos.

Nos Anos 70 as musicas do rei Roberto Carlos embalavam os sonhos românticos de boa parte dos brasileiros. Na contra mão do movimento tropicalistas, com musicas mais contestatórias e com muita mensagens diretas ao regime político vigente, os bons moços, ou melhor a Jovem Guarda teve como maior expoente o Roberto Carlos, juntamente com seu grande amigo e companheiro o tremendão Erasmo Carlos. Lembro da minha mãe lavando roupa e cantarolando musicas dele, que saiam de um pequeno rádio a pilha. Por isso foi irresistível e inevitável escrever um pouco sobre ele. Ótimas lembranças.

Musicas do rei Roberto Carlos nos anos 70

 Os anos 70 formam embalados com musicas do rei Roberto Carlos. Musica Na virada para década de 1970, reformulou seu repertório rock’n roll e se tornou um cantor e compositor basicamente romântico, que não modificou desde então. Logo também mudava seu público-alvo, que deixou de ser o jovem e passou a ser o adulto. Atualmente continua se apresentando com frequência e produz anualmente um especial que vai ao ar na semana do Natal pela Rede Globo, mesma época em que costumavam ser lançados seus discos anuais. As musicas do rei Roberto Carlos passaram a ser associadas às festa de fim de ano. Entre 1961 e 1998, Roberto lançou um disco inédito por ano. Dezenas de artistas já fizeram regravações de suas músicas, entre os quais Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia.[sociallocker id=6988]

 Os anos 70 formam embalados com musicas do rei Roberto Carlos. Musica Segundo a ABPD, Roberto Carlos é o artista solo com mais álbuns vendidos na história do Brasil. Seus discos já venderam mais de 120 milhões de cópias e bateram recordes de vendagem – em 1994 chegou a marca de 70 milhões de discos vendidos – incluindo gravações em espanhol, inglês e italiano, em diversos países. Tendo realizado milhares de shows em centenas de cidades no Brasil e no exterior, sua popularidade o tornou conhecido no Brasil e na América Latina como O Rei, foi a partir deste momento que as musicas do rei Roberto Carlos ganharam o mundo, contando com um dos maiores fã-clubes existentes.

Os Anos 70 foram generosos para o Rei.

A partir da década de 1970, marcaria o fim da Jovem Guarda e consolidaria o prestígio de Roberto Carlos como intérprete romântico no Brasil e no exterior (Estados Unidos, Europa e América Latina). O cantor seria o artista brasileiro que mais venderia discos no país. Ouvir musicas do rei Roberto Carlos estava no auge. Várias das suas canções foram gravadas por artistas como Julio Iglesias, Caravelli e Ray Conniff. Em 1970, o cantor fez uma bem-sucedida temporada de shows no Canecão. No final daquele ano, foi lançado o álbum anual, que trouxe sucessos como “Ana”“Vista a Roupa Meu Bem” e “Jesus Cristo“, canção que também marcava sua aproximação com a religião.

No ano seguinte, foi lançado “Roberto Carlos a 300 km por Hora”, o último filme e também um grande sucesso nacional. Ainda em 1971, foi lançado“Roberto Carlos”, disco contou com os sucessos “Detalhes”“Amada Amante”,“Todos Estão Surdos”“Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos”(homenagem a Caetano Veloso) e “Como Dois e Dois” (de Caetano). O álbum “Roberto Carlos”, de 1972, repercutiu com “A Montanha” e “Quando as Crianças Saírem de Férias”, além de ter sido o primeiro LP a atingir a marca de um milhão de cópias vendidas; e “Roberto Carlos”, de 1973, com“Rotina” e “Proposta”. Em 24 de dezembro de 1974, a Rede Globo exibiu um especial do cantor, que obteve um enorme índice de audiência. A partir daquele ano, o programa seria veiculado anualmente, sempre no final do ano.

Em 1975, o grande sucesso seria “Além do Horizonte”. No ano seguinte, o cantor gravaria o novo LP nos estúdios da CBS em Nova Iorque. O álbum lançou as canções “Ilegal, Imoral ou Engorda” e “Os Seus Botões”. Em 1977, Roberto Carlos gravou “Muito Romântico” (de Caetano Veloso) e“Cavalgada”, lançadas no disco natalino e que alcançaram os primeiros lugares nas paradas musicais.

No ano seguinte, foi lançado “Roberto Carlos”, de 1978, de onde se destacaram as famosas “Café da Manh㔓Força Estranha” (de Caetano Veloso) e “Lady Laura”– esta última dedicada a sua mãe. O disco vendeu um milhão e quinhentas mil cópias. Além de álbuns que vendiam mais de 1 milhão de cópias por ano, os shows de Roberto Carlos eram também disputados: em 1978, o cantor percorreu o país por seis meses, sempre com casas lotadas. Quando visitou o México em 1979, o papa João Paulo II foi saudado com a canção “Amigo”, cantada por um coro de crianças. O evento foi transmitido ao vivo para centenas de milhões de pessoas no mundo. Roberto também se engajou da ONU em prol do Ano Internacional da Criança.

Gostaram do post?[/sociallocker]

Conte aos amigos sobre esse post!

Publicidade

Você pode gostar também

Sobre o autor: Eli Braz

Olá me chamo Eli e nasci nos anos 70. Curti toda minha adolescência nos anos 80 e 90. Agora gosto de relembrar e compartilhar os bons momentos e fatos que marcaram época. Espero ser útil a todos com minha pesquisa e escrita.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares