Blog Anos 70

Tudo sobre os anos 70, TV, música, fatos e curiosidades de época.

Movimento pelos Direitos Civis nos anos 70

O  Movimento pelos Direitos Civis nos anos 70 tinha como objetivo de conseguir igualdade de direitos perante a lei para todas as camadas da população independente de sua origem, cor, raça, sexo e religião.

Presente em todo o mundo, o movimento teve como dois de seus principais centros os EUA e a Irlanda do Norte. E é sobre este tema que vamos falar neste post.

Entenda o movimento pelos Direitos Civis nos anos 70

EUA

Movimento pelos Direitos Civis nos anos 70

O Movimento pelos Direitos Civis nos anos 70 nos EUA teve seu marco inicial em 1955, no estado do Alabama, quando a costureira negra Rosa Parks recusou-se a ceder seu lugar no ônibus para um branco e, por isso, foi detida, processada e condenada à prisão.

Houve protestos e boicote ao transporte público por mais de um ano, que só foi encerrado após a lei que separava brancos e negros nos ônibus foi extinta.

Outros casos se seguiram e, em 1964, o principal líder estadunidense dos direitos civis, Pastor Martin Luther King, recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelos seus esforços pacíficos pelos Direitos Civis e contra a segregação racial.

King foi assassinado em 1968, mas sua luta foi continuada por outro Pastor nos anos 70, Jesse Jackson.

Em 1966, surgiu o Movimento Black Power (Poder Negro) e, nesse mesmo ano, surgiu o partido político dos Panteras Negras, que pregava a igualdade racial e política por quaisquer meios, inclusive a violência.

Os Panteras Negras foram bastante ativos até 1975, com líderes como Angela Davis, quando começaram a entrar em decadência e o partido foi extinto em 1982.

Irlanda do Norte

A Associação pelos Direitos Civis da Irlanda do Norte (cuja sigla em inglês é NICRA) lutou pelos Direitos Civis da minoria católica naquele país, que sofria forte discriminação da maioria protestante. Em sua luta, a NICRA fazia as seguintes reivindicações:

  • Um homem, um voto;
  • Fim para a discriminação em moradias e em governos locais;
  • Fim para a influência ilegal dos protestantes nas eleições, que limitavam os votos católicos;
  • O desmantelo dos B-Specials, uma polícia sectária protestante.

O NICRA também organizava manifestações, marchas e piquetes. Seu auge foi no início dos anos 70.

O que é racismo estrutural?

Antes de finaliza o assunto é importante falar de um termo que ainda causa dúvidas. O racismo estrutural ainda é muito debatido e combatido no mundo todo.

Mas afinal o que vem a ser o racismo estrutural? O conceito mais comum e que esse tipo de racismo esta intrínseco na formação da própria sociedade.

Como?

Peguemos por exemplo sociedades que se firmaram usando mão de obra escrava. Pelo mundo são vários os exemplos de sociedades que por um período de seu desenvolvimento usou mão de obra escrava, negra ou não.

Publicidade
Movimento pelos Direitos Civis nos anos 70 | Blog Anos 70

Claro que assim tudo que se criou em volta da comunidade da época tinha essa divisão (estrutura). Haviam os Senhores, os homens livres e os escravos.

Mas com o passar do tempo em se havendo a mudança destas sociedades a liberdade dos escravos se tornou uma necessidade.

Mas mesmo não havendo, em tese, mais trabalho escravo o inconsciente coletivo manteve essa estrutura. Dai podemos entender de forma resumida o racismo estrutural.

Assim ocorre com a religião, sexo…. e outras diferenças.

Claro que a questão é muito mais complexa e envolve muitas nuanças. Mas acho que dá para se formar uma ideia sobre o tema. Concorda?

Mas como então combater o racismo estrutural?

Aqui me permitam emitir opiniões pessoais. Caso concordem ou não fiquem a vontade em comentar? Se estresse.

Pode parecer clichê mas vou repetir que a educação é o caminho.

Bem pegarmos a questão do imaginário coletivo veremos que são a grosso modo o conjunto de impressões e entendimentos que estão intrincados em determinada sociedade.

Pode se dizer que é conjunto de crenças que se tem como verdade absoluta. Sendo assimilada pela maioria das pessoas. Voluntariamente ou não.

Acreditar na superioridade racial se dá por uma construção ideológica. Concorda?

E nada melhor para formar um legião de pessoas com essa crença do que a educação.

Agora vejam se concordam comigo. Para se incutir uma idéia se necessita de um processo que se dá na formação dos jovens. Leva tempo.

Mas para se desfazer isso, o processo tende a ser muito mais demorado. Porque? Bem o prazo devera superar a existência de gerações de pessoas mais velhas.

Mesmo se iniciando agora essas novas ideias encontrariam resistência dentro dos próprios lares das crianças. O processo depurativo se daria aos poucos. Geração a geração.

Não devemos com isso acreditar que não adianta então investir na formação de jovens e crianças. Não existe milagre e nada é fácil.

O fácil é se criar uma lei de cotas ou se criminalizar o racismo. São medidas necessárias? Sim. Importantes? Também. Mas seriam somente elas suficientes para suprimir os sentimentos internos?

Mais do que se cumprir a lei é preciso se acreditar na igualdade.

Espero que tenha ajudado com minha escrita. Até breve!

E caso queira, pode assinar GRATUITAMENTE nosso blog. Assim toda vez que tivermos uma novidade você ficará sabendo. Seria uma honra tê-lo como membro.

Coloque seu melhor Email:

Entregue por: FeedBurner

Publicidade

Eli Braz

Olá me chamo Eli e nasci nos anos 70. Curti toda minha adolescência nos anos 80 e 90. Agora gosto de relembrar e compartilhar os bons momentos e fatos que marcaram época. Espero ser útil a todos com minha pesquisa e escrita.

6 comentários em “Movimento pelos Direitos Civis nos anos 70

  1. Ótimo post. Infelizmente vivemos em um país preconceituoso. O racismo já está impregnado na nossa sociedade.

    Temos que lutar para mudar a mentalidade das nossas crianças, pois temos sim o poder de mudar o mundo pra melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo