Scroll Top

Assine GRÁTIS nossa Newsletter e fique atualizado. Não esqueça de confirmar sua inscrição quando solicitado.

Fatos

Luta contra a Aids 30 anos

Apesar de não ouvirmos mais falar dela a Aids ainda é uma doença se cura. A luta contra a Aids chega aos 30 anos e muitas pessoas nunca ouviram falar dela. Principalmente os mais jovens, para eles a Aids faz parte da história. Mesmo assim, ao longo dos anos mais de 200.000 pessoas perderam a vida em decorrência da síndrome.

O que lembro da luta contra a Aids

Como nosso Blog fala dos anos 70, cabe o registro de que os primeiros casos de contágios conhecidos e registrados remontam à década de 1970.

luta contra a aids

A origem do HIV ao que tudo indica, seria do Continente Africano. Os chipanzés e os macacos verdes seriam os portadores do vírus, que é inofensivo para eles, mas fatal para o homem. O primeiro contágio teria ocorrido pela domesticação destes animais pelo homem. Neste site (Mundo Estranho) tem mais coisas sobre o assunto

Uma das primeiras consequências foi o ataque aos gays, uma vez que a doença, ao que se acreditava na época, seria transmitida principalmente pela relação homossexual.

Os primeiros casos que foram registrados no Brasil datam da década de 1980. Época que ainda vivíamos sob o regime militar, o que só contribuiu para o aumento do preconceito contra os homossexuais.  O regime militar realmente não ajudou muito neste aspecto e também na conscientização da população. Alguns jornais da época, década de 1980, noticiaram sobre o “misteriosos câncer que mata homossexuais”, que estaria sendo estudados nos  EUA.

O caso mais emblemático para mim foi a do cantor Cazuza, que em 1988 em entrevista revelou que era portador do vírus da Aids. De lá até o sua morte todos puderam vivenciar à cada música, vídeo clip ou show, a ação devastadora que a doença causava ao corpo do jovem cantor.

luta contra a aids

Sua morte (já em 1990, com apenas 40 kg) serviu, de certa forma para colocar um ponto final a qualquer dúvida que tínhamos naqueles anos sobre a gravidade da Aids. Lembro que meus pais sempre me diziam para tomar cuidado, para não esquecer o caso “do cantor” que não se cuidou e contraiu a doença.

Foi ai que ouvi pela primeira vez falar de camisinha, e grupo de risco. Sendo que faziam parte de tal grupo os gays, usuários de drogas que compartilhavam agulhas e seringas e pessoas que necessitassem de transfusão de sangue. Lembro que a desinformação era grande, mas o básico era fazer o “sexo seguro”.

Falando mais sobre a Aids, ela tem uma característica que a torna muito grave que é atacar o sistema imunológico do organismo. Ou seja, qualquer tipo de infecção encontra caminho livre e sem resistência. Qualquer pneumonia é suficiente para causar o óbito do paciente infectado.

Existem alguns sintomas a serem observados sobre a aids e no site www.aids.gov.br há esclarecimentos importantes sobre tratamento e prevenção contra o HIV. Vale uma visita, porque o que mata mais que qualquer doença é a ignorância. A final a luta contra a aids não pode acabar até que se descubram a cura.

Hoje os portadores contam como tratamento contra o vírus um coquetel de medicamentos antirretrovirais  que por serem fortes demais, para evitar o avanço do vírus, causam uma série de efeitos colaterais como: diarreia, vômitos, náuseas, manchas avermelhadas pelo corpo (chamadas pelos médicos de rash cutâneo), agitação, insônia e sonhos vívidos.

É fã dos anos 80? Veja estes artigos:

Boy George e Culture Club

Bandas nacionais especiais

Filme Fama dos anos 80

Sobre o autor | Website

Funcionário publico, historiador e blogueiro por paixão. Nascido nos anos 70 curti toda minha adolescência nos anos 80 e 90. Agora gosto de relembrar os bons momentos e fatos que marcaram época.

Gostou do Conteúdo?

Assine GRÁTIS nossa Newslleter e fique atualizado. Não esqueça de confirmar sua inscrição quando solicitado.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.