Blog Anos 70
18 04

Cordilheira dos andes 1972

Desastre nos Andes

Um dos fatos que marcaram a década de 70 na América Latina e o mundo foi a tragédia que ocorre com a queda de um avião na cordilheira dos Andes em 1972. O que mais nos impressiona e choca até hoje e a forma como sobreviveram até o resgate. Da para rever muitos dos nossos conceitos morais ao conhecermos a história, vamos a ela.

Sobreviventes do desastre nos andes

Sobreviventes do desastre nos Andes

O Voo Força Aérea Uruguaia 571, mais conhecido como Tragédia dos Andes ou Milagre dos Andes (El Milagro de los Andes), foi um voo fretado que transportava 45 pessoas, incluindo uma equipe de rúgbi, seus amigos, familiares e associados que caiu na Cordilheira dos Andes em 13 de outubro de 1972. Mais de um quarto dos passageiros morreram no acidente e vários sucumbiram rapidamente devido ao frio e aos ferimentos. Dos 29 que estavam vivos alguns dias após o acidente, oito foram mortos por uma avalanche que varreu o seu abrigo. O último dos 16 sobreviventes foi resgatado em 23 de Dezembro de 1972, mais de dois meses após o acidente.

Os sobreviventes tinham pouca comida e nenhuma fonte de calor em condições extremas, a mais de 3.600 metros (11.800 pés) de altitude. Diante da fome e notícias reportadas via rádio de que a busca por eles tinha sido abandonada, os sobreviventes alimentaram-se dos passageiros mortos que haviam sido preservados na neve. As equipes de resgate não tiveram conhecimento da existência de sobreviventes até 72 dias depois do acidente quando os passageiros Fernando Parrado e Roberto Canessa, depois de uma caminhada de 10 dias através dos Andes, encontraram um chileno huaso, que lhes deu comida e, em seguida, alertou as autoridades sobre a existência dos outros sobreviventes.

Canibalismo

Os sobreviventes tinham uma pequena quantidade de alimentos: algumas barras de chocolate, outros lanches variados, e um garrafão de vinho. Durante os dias seguintes ao acidente dividiram-se estes alimentos em quantidades muito pequenas para não esgotar a sua oferta escassa. Com sede desenvolveram uma maneira de derreter a neve em água usando metais a partir dos bancos e colocando neve sobre eles. A neve derretia ao sol, e em seguida escorria para garrafas de vinho vazias. Mesmo com este racionamento rigoroso, o estoque de alimentos diminuiu rapidamente. Além disso, não havia vegetação natural ou animais na montanha coberta de neve. Assim, o grupo sobrevivente coletivamente tomou a decisão de comer a carne dos corpos de seus companheiros mortos, começando pelo piloto. Esta decisão não foi tomada de facilmente, dado que a maioria eram colegas ou amigos próximos. No seu livro de 2006, Miracle in the Andes: 72 Days on the Mountain and My Long Trek Home, Nando Parrado comentou sobre esta decisão:

Em altitudes elevadas, as necessidades calóricas do organismo são astronômicas … estávamos morrendo de fome a sério, sem nenhuma esperança de encontrar comida, mas a nossa fome logo se tornou tão voraz que procuramos qualquer maneira … uma e outra vez que percorri a fuselagem em busca de migalhas e bocados. Tentamos comer tiras de couro rasgado de peças de bagagem, embora soubéssemos que os produtos químicos com que tinham sido tratados nos fariam mais mal do que bem. Rasgamos almofadas de assento na esperança de encontrar palha, mas encontramos apenas espuma do estofamento não comestível … Uma e outra vez cheguei à mesma conclusão: a menos que comesse as roupas que trazia vestidas, não havia nada além de alumínio, plástico, gelo e rocha.

 

Todos os passageiros eram católicos romanos. Alguns igualaram o ato de canibalismo ao ritual da Santa Comunhão. Outros inicialmente tinham muitas reservas, mas depois de perceberem que era o seu único meio de permanecerem vivos, mudaram de ideia ao fim de alguns dias.

Enfim apesar de não ser uma história feliz, que envolva musica ou TV, não devemos esquecer ou deixar que os mais jovens deixem cair no esquecimento este triste episódio, que diz respeito a nossa geração.

The following two tabs change content below.
Funcionário publico, historiador e blogueiro por paixão. Nascido nos anos 70 curti toda minha adolescência nos anos 80 e 90. Agora gosto de relembrar os bons momentos e fatos que marcaram época.

Latest posts by Eli Braz (see all)

Gostou do Post? Compartilhe:
Deixe seu comentario